Ypê é condenada por live em apoio a Bolsonaro

Química Amparo, detentora da marca Ypê, é condenada por tentativa de influenciar escolhas políticas de funcionários
Ypê Ypê
Ypê

Química Amparo, detentora da marca Ypê, é condenada por tentativa de influenciar escolhas políticas de funcionários

Em uma situação polêmica, a Química Amparo LTDA., proprietária da marca Ypê, foi julgada culpada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, sediado em Campinas (SP). A instância envolveu a promoção de um webinar durante a temporada eleitoral de 2022, cujo material foi interpretado como uma tentativa de manipular as decisões políticas dos colaboradores.

De acordo com o Ministério Público do Trabalho, o objetivo de uma das palestras, transmitida ao vivo pela internet, era persuadir os funcionários a votarem no ex-presidente Jair Bolsonaro, candidato à reeleição naquela época. Esta ação, reconhecida como assédio eleitoral, resultou em uma decisão judicial que impede a empresa de realizar qualquer tipo de propaganda eleitoral, seja para desfavorecer ou apoiar candidatos.

A Química Amparo foi proibida de realizar campanhas eleitorais e ficou sujeita a uma multa de até R$ 100 mil reais caso não cumpra a decisão, conforme sentença imposta pelo TRT-15. Essa decisão indica uma atitude mais firme do judiciário em relação à “neutralidade” das empresas durante os períodos eleitorais, estabelecendo um precedente significativo na jurisprudência trabalhista brasileira.

Durante a exibição da conferência, várias estatísticas e dados foram compartilhados de uma maneira que favorecia o governo Bolsonaro como a “melhor opção para o país”, segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT) que iniciou o processo. Esta abordagem, vista como parcial e com claro propósito eleitoral, se enquadrou no que é legalmente definido como assédio eleitoral, ou seja, a utilização de autoridade para influenciar a escolha de voto dos trabalhadores.

Química Amparo pretende recorrer após sentença judicial

Depois de receber a sentença, a empresa anunciou que planeja apelar para o Tribunal Superior do Trabalho (TST) e, se necessário, para o Supremo Tribunal Federal (STF).


8 comments
  1. Esses VAGABUNDOS do judiciário brasileiro pesaram a mão contra Bolsonaro de forma covarde!!!

  2. Parece piada, se o voto é secreto, os colabores não teriam como não vorse conforme sua consciência. Aqui em Barueri os funcionários públicos que tem veículo, são obrigados a colocar em seus veículo adesivo de apoio ao candidato do prefeito atual. Se o Ministério do trabalho, for neste caminho a globo faz o que com os seus colaboradores? E o consórcio faz o que?

  3. Essa Justiça brasileira têm muitos Esquerdistas que são velados mas agem claramente aos interesses políticos da Esquerda. Se houvesse uma investigação social de profunda no judiciário aliás, em tudo nesse país, estariam muito pouco mas suficientes pessoas para termos uma justiça realmente séria.
    O Brasil está cheio de contrários à tudo que é de Direita.

  4. Aqui em casa só entra detergente Ypê, agora mais ainda, todos os produtos de limpeza que eu for comprar vou procurar a marca. Cambada de hipócritas, tanta coisa errada no Brasil e vão ficar perseguindo os apoiadores do presidente Bolsonaro, o Brasil é um circo mesmo, onde os palhaços somos nós.

  5. Revoltante a parcialidade do judiciário.
    Então os que fizeram propaganda para o Lula tambem precisam ser processados.

  6. Claro que se a ype fosse de esquerda e knfluencia os funcionários não teria problema nenhum. Essa hipocrisia com segundas intenções de quem apoia a esquerda chega a dar nojo. Apartir de agora vou passar a comprar mais produtos da Ype.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *