Vídeo: Inconformados com a vitória da direita nas eleições legislativas, Vândalos promovem baderna na França

Baderneiros atearam fogo em veículos e entraram em confronto com a polícia
Barricada Queima, Enquanto Manifestantes Protestam Contra O Partido De Direita Francês Reagrupamento Nacional Barricada Queima, Enquanto Manifestantes Protestam Contra O Partido De Direita Francês Reagrupamento Nacional
Barricada queima, enquanto manifestantes protestam contra o partido de direita francês Reagrupamento Nacional (RN) – 30/6/2024 | Foto: Fabrizio Bensch/Reuters

Baderneiros atearam fogo em veículos e entraram em confronto com a polícia

Neste domingo, 30, Paris foi palco de atos de vandalismo após a divulgação dos resultados que apontaram a direita como líder no primeiro turno das eleições legislativas francesas. As eleições foram convocadas há três semanas e tiveram a maior participação em quarenta anos.

Os institutos Ifop, Ipsos, OpinionWay e Elable, em colaboração com a Rádio França, conduziram uma pesquisa que revelou que o partido Reunião Nacional (RN), sob a liderança de Marine Le Pen, obteve 34% dos votos no primeiro turno.

O resultado das eleições na França

A coalizão centrista, sob a liderança do partido de Emmanuel Macron, conquistou 20% dos votos, enquanto o bloco de partidos de esquerda obteve a segunda posição, com 28,1%.

No sistema político semipresidencialista da França, é responsabilidade dos eleitores selecionar os partidos que formarão o Parlamento. O partido ou coalizão que obtém a maioria dos votos tem o poder de indicar o primeiro-ministro, que governa em conjunto com o presidente, escolhido diretamente pelo povo.

Possível governo de coabitação

Caso o chefe de Estado e o chefe de governo sejam de partidos distintos, a nação se encontra em uma condição de “coabitação”. Essa é uma circunstância incomum que pode complicar a gestão do país. Esse desafio pode surgir já que o primeiro-ministro desempenha papéis internos cruciais, como a escolha de ministros.

Gabriel Attal, o atual primeiro-ministro, é um aliado de Macron. Porém, caso as previsões sejam verdadeiras, o cargo deve ser assumido por Jordan Bardella, de 28 anos, do RN. Bardella, após o encerramento da votação, declarou que o segundo turno, que acontecerá na próxima semana, representa o “momento mais importante da história da Quinta República da França”.

No início de junho, Macron convocou eleições antecipadas. Devido ao mau desempenho de seu partido e ao progresso da direita no Parlamento Europeu, o presidente optou por dissolver o Legislativo.

Participação dos eleitores

Neste domingo, houve uma alta presença de eleitores. Até as 17h, no horário local, 59% dos eleitores haviam ido às urnas. Este é o maior percentual em quase quatro décadas.

Esse percentual é visto como alto para votações na Europa Ocidental, onde o sufrágio não é compulsório. Em 2002, aproximadamente 47% dos eleitores participaram das eleições na França.

As eleições parlamentares na França ocorrem em dois turnos. O segundo turno está marcado para 7 de julho. As informações são da Revista Oeste.


2 comments
  1. Direita volver.
    Dissolve congresso, depois chora, não sabe brincar, não desce pro play.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *