Roger Waters diz que não há evidências do estupro de mulheres israelenses pelo Hamas

O ex-líder do Pink Floyd concedeu entrevista ao jornalista britânico Piers Morgan, nesta terça-feira, 2
Roger Waters Comentou A Guerra Em Gaza E Na Ucrânia Roger Waters Comentou A Guerra Em Gaza E Na Ucrânia
Roger Waters comentou a guerra em Gaza e na Ucrânia | Foto: Reprodução/Piers Morgan Uncensored

O ex-líder do Pink Floyd concedeu entrevista ao jornalista britânico Piers Morgan, nesta terça-feira, 2

O ex-líder do Pink Floyd, Roger Waters, declarou que não existem provas de que terroristas do Hamas tenham violado mulheres israelenses no dia 7 de outubro. Ele fez essa afirmação em uma entrevista com o jornalista britânico Piers Morgan, na terça-feira, 2.

Durante a entrevista, em várias ocasiões, Waters insinuou que o governo de Israel teria autorizado deliberadamente o massacre do Hamas e negou consistentemente as alegações de mortes civis causadas pelo grupo. Além disso, ele defendeu um vídeo no YouTube, no qual incentivava os israelenses a voltarem para a Europa Oriental ou para os Estados Unidos.

Ele afirmou no vídeo que os israelenses que optassem por permanecer em suas residências seriam “bem-vindos” em um novo Estado palestino. Waters, ao explicar a postagem, declarou que se recorda da guerra diariamente.

“Choro por Gaza todas as manhãs ao acordar”, disse Roger Waters. “Tenho apenas 80 anos, nunca presenciei o genocídio de um povo inteiro acontecendo todos os dias.”

Waters declarou que a guerra em Gaza é a questão mais crítica que afeta o mundo e insistiu que Israel peça desculpas “com toda a raça humana”. Ele explicou que apareceu no programa de Morgan para apoiar candidatos nas próximas eleições gerais do Reino Unido. Na ocasião, criticou Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista, como um “homem comprado”.

Waters apoiou Andrew Feinstein, adversário local de Starmer, bem como outros candidatos, entre eles Leanne Mohamad, uma aspirante independente de 23 anos de origem palestina. Mohamad caracterizou o ataque de 7 de outubro como “uma visão histórica” em um tweet na plataforma Twitter/X, que foi posteriormente removido.

Restrição contra músicas de Roger Waters

Após a entrevista, a líder da entidade feminina Na’amat solicitou às estações de rádio israelenses que cessassem a reprodução das canções de Waters. Ela afirmou que os israelenses não deveriam “contribuir para o sustento por meio de royalties de um negador do estupro e massacre de 7 de outubro”, mesmo que fosse um “gesto simbólico”.

Nas semanas que se seguiram ao ataque de 7 de outubro, onde milhares de terroristas assolaram o sul de Israel, tiraram a vida de aproximadamente 1,2 mil indivíduos e fizeram 251 reféns, Waters insinuou que existia “algo suspeito” na história contada sobre o ataque.

“Não sabemos se algum dia conheceremos toda a história”, disse Roger Waters, em entrevista ao jornalista Glenn Greenwald. “Eles estão chamando isso de 11 de setembro deles. O que realmente aconteceu no 11 de setembro norte-americano? Ninguém sabe.”

Na terça-feira, Waters se recusou a censurar o ataque. Ele afirmou: “Não vou ter essa conversa”. Acrescentou: “Se o Hamas cometeu crimes de guerra, condeno”. Naquele momento, Waters justificou sua afirmação de que era impossível determinar o que realmente aconteceu.

“Não estou dizendo que parte do movimento de resistência palestino não cruzou aquela cerca de arame para o que é chamado de Israel”, afirmou Waters. “O que estou dizendo é: há toda essa conversa sobre ‘Israel tem o direito de se defender?’. Por que Israel não se defendeu naquela manhã?”

Músico pede investigação sobre filmagens do Hamas

Quando questionado sobre as gravações do ataque realizadas pelo Hamas, Roger Waters solicitou uma “investigação real e verdadeira” e insinuou que Israel não autorizaria tal investigação.

Ele creditou várias mídias alternativas por “desmascarar todas as mentiras imundas e nojentas contadas pelos israelenses depois do 7 de outubro, sobre queimar bebês e mulheres sendo estupradas”. O músico insistiu que não havia “nenhuma evidência” de estupro.

Um relatório de fevereiro do Secretário-Geral das Nações Unidas sobre Violência Sexual em Conflitos concluiu que “há motivos razoáveis para acreditar que a violência sexual relacionada ao conflito ocorreu durante os ataques de 7 de outubro em vários locais na periferia de Gaza, incluindo estupro e estupro coletivo, em pelo menos três locais”.

O relatório também observou vários padrões de “indivíduos assassinados, principalmente mulheres, cujos corpos estavam nus da cintura para baixo — e alguns totalmente nus — amarrados com as mãos para trás, muitos dos quais foram baleados na cabeça”.

Waters negou as acusações de antissemitismo. “Não sou antissemita nem remotamente”, disse. “Sabe quem saberia se Roger Waters fosse antissemita? Roger Waters saberia, porque eu teria sentimentos sobre judeus.”

Nos últimos 20 minutos de entrevista, Waters acusou “potências ocidentais” de “assassinar ucranianos” ao encorajá-los, “contra a vontade deles”, a resistir à invasão russa de 2022. As informações são da Revista Oeste.


3 comments
  1. Mande sua mulher, sua mãe ou sua filha pra um encontro com eles e depois peça a opinião delas

  2. Os idosos da geração passada eram respeitados e considerados fontes de conhecimento e experiencia. Os idosos dessa geração se tornaram velhos idiotas decreptos e desacreditados. Será influencia da fama, poder ou drogas???? E assim nos decepcionam Chicos Buarques, Caetanos Velosos, Gilbertos Gils, Rogers Watess, Madonas etc etc etc

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *