Papa Francisco: “Certas Formas De Assistencialismo São Hipocrisia Social”

Papa Francisco alerta sobre tentações ideológicas e estado da democracia durante visita à Trieste
Papa Francisco Papa Francisco
Foto: CNBB/Divulgação

Papa Francisco alerta sobre tentações ideológicas e estado da democracia durante visita à Trieste

O papa Francisco alertou neste domingo sobre as “tentações ideológicas e populistas” e a situação da democracia no mundo durante uma visita à cidade italiana de Trieste, no extremo nordeste da Itália.

“A democracia não goza de boa saúde no mundo”, lamentou o papa argentino durante um discurso para cerca de 1.000 pessoas no Centro de Congressos, durante o encerramento da 50ª Semana Social organizada pela Igreja italiana. “Isso nos interessa e preocupa porque está em jogo o bem do homem”, acrescentou.

Para abordar o tema, o pontífice partiu da definição que o beato Giuseppe Toniolo deu em 1907 desse sistema: “uma organização civil em que todas as forças sociais, jurídicas e econômicas, no pleno desenvolvimento de sua hierarquia, cooperam proporcionalmente pelo bem comum e em benefício das classes baixas”.

Em primeiro lugar, o papa apontou para “feridas” como a corrupção, a ilegalidade e “as diversas formas de exclusão social”.

“Cada vez que alguém é marginalizado, todo o corpo social sofre. A cultura do descarte cria uma cidade onde não há lugar para os pobres, os que estão para nascer, os frágeis, os doentes, crianças, mulheres ou jovens”, denunciou.

Sem mencionar nenhum país, Francisco também alertou contra as “tentações ideológicas e populistas”, no momento em que a França realiza o segundo turno das eleições legislativas, nas quais a extrema direita pode se tornar, pela primeira vez, o partido majoritário e até alcançar o governo.

“As ideologias são sedutoras. Alguns as comparam ao flautista de Hamelin. Elas são sedutoras, mas te levam a negar a si mesmo”, disse em referência ao conto popular.

Além disso, expressou sua preocupação com o aumento da abstenção no mundo e questionou o significado dessa baixa participação eleitoral. Ele também sugeriu “treinar” o eleitor desde jovem para que não caia na “tentação” populista no futuro.

“A própria palavra ‘democracia’ não coincide apenas com o voto do povo, mas exige que se criem condições para que todos possam se expressar e participar. E a participação não se improvisa, aprende-se desde jovem, deve ser ‘treinada’, também com sentido crítico frente às tentações ideológicas e populistas”, afirmou.

Crítica à polarização e ao assistencialismo

Jorge Bergoglio também convidou os fiéis a se afastarem da “polarização que empobrece”.

O pontífice argentino, ao analisar as sociedades democráticas, foi especialmente duro com certas formas de assistencialismo, as ajudas públicas a cidadãos que não podem se sustentar completamente.

“Todos devem se sentir parte de um projeto comunitário, ninguém deve se sentir inútil. Certas formas de assistencialismo que não reconhecem a dignidade das pessoas são hipocrisia social. O assistencialismo, assim, é inimigo da democracia e do amor ao próximo”, declarou.

Ele também questionou se o que há por trás dessas ajudas não é uma tentativa de “se afastar da realidade social”: “A indiferença é um câncer da democracia”, concluiu.

Finalmente, ele chamou os católicos a exibirem sua fé – que não pode ser “marginal ou privada” – e a terem a “coragem” de propor justiça e paz no debate público.

“Temos algo a dizer, mas não para defender privilégios. Devemos ser a voz que denuncia e propõe em uma sociedade frequentemente afônica e onde muitos não têm voz”, exortou.

Além disso, Francisco destacou a contribuição que o cristianismo pode dar ao desenvolvimento cultural e social europeu, especialmente em questões relativas à vida e à dignidade das pessoas, como propôs ao Parlamento Europeu no final de 2014.

Esta é a terceira visita do jesuíta argentino, de 87 anos, a uma cidade italiana este ano, após suas viagens a Veneza em abril e Verona em maio, e a última antes de embarcar na viagem mais longa de seu pontificado, aos confins da Ásia e Oceania em setembro.

O papa chegou de helicóptero pouco antes das 08h00 (06h00 GMT) a Trieste, uma cidade de 200.000 habitantes situada à beira do Adriático, na fronteira com a Eslovênia, e capital da região autônoma de Friul-Veneza Júlia.

Francisco deve se reunir com representantes religiosos e acadêmicos, migrantes e pessoas com deficiência.

Sua visita terminou com uma missa na praça Unità d’Italia, a principal da cidade, e ele retornou ao Vaticano à tarde.

Jorge Bergoglio, que se locomove em cadeira de rodas, não viajava para o exterior desde sua visita a Marselha, no sul da França, em setembro de 2023. (Com informações da AFP e EFE)


3 comments
  1. A extremista no “jargão papal”,é a direita.
    Jorge Mário Bergóglio,é “comunistinha de carteirinha”,aquele que enaltece o Lularápio e Dilmanta,que comprovadamente são ateus. Bergóglio, nunca poderia ter chegado ao Papado,é realmente o “falso” lider do catolicismo e
    vai acabar com o cristianismo mundo.
    Perseguiu toda família Macri,quando mo-
    rou na Argentina, a tinha como “capitalista” e malfeitora. Pagará,com certeza,é uma questão de tempo e este é soberano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *