Lewandowski, ministros do STF e do STJ participam de evento sobre o clima na Europa; ingressos custam R$ 1 mil

Com ingressos a R$ 1 mil, seminário ocorre menos de uma semana depois do ‘Gilmarpalooza’
Os Ministros Do STF Gilmar Mendes E Alexandre De Moraes E O Ministro Da Justiça Ricardo Lewandowski Os Ministros Do STF Gilmar Mendes E Alexandre De Moraes E O Ministro Da Justiça Ricardo Lewandowski
Os ministros do STF Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes e o ministro da Justiça Ricardo Lewandowski são alguns dos nomes confirmados para apresentações no evento em Coimbra | Foto: Reprodução/Redes sociais

Com ingressos a R$ 1 mil, seminário ocorre menos de uma semana depois do ‘Gilmarpalooza’

Apenas alguns dias após o término do “Gilmarpalooza”, figuras de autoridade do Brasil, incluindo ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), bem como o Ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, estão em Portugal para participar do Seminário de Verão de Coimbra.

A 29ª edição do evento é organizada em parceria entre a Associação de Estudos Europeus de Coimbra, o Instituto de Pesquisa e Estudos Jurídicos Avançados (Ipeja) e a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. O tema escolhido para esta edição é a “(Des)ordem climática – Propostas para um mundo em transformação”.

Participação de Lewandowski e Ministros do STF e STJ: A Resposta das Instituições

O STJ, com 15 representantes presentes no seminário, fez questão de esclarecer que não foi o responsável pelo financiamento do evento e que não possui controle sobre as viagens internacionais dos ministros. Entre os nomes programados para o evento, estão Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, ambos do STF. Ainda não houve manifestação do Ministério da Justiça sobre a presença de Lewandowski.

Custos e presença de empresas

O custo para participar do seminário é de € 175, equivalente a R$ 1.050. O preço do jantar é € 50, enquanto as palestras custam € 130. Os jantares fornecem oportunidades para interagir com os magistrados. Empresas como Ebradi, Ambipar Group e CNSaúde também estão presentes. Como relatado pelo jornal O Estado de S. Paulo, essas empresas não possuem processos pendentes nos tribunais. As informações são da Revista Oeste.


Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *